Friday, 3 August 2007

Carro de João Carrascalão apedrejado junto do aeroporto por jovens, mulher ficou ferida




Lisboa, 03 Ago (Lusa) - Jovens apedrejaram quinta-feira à noite em Díli, junto ao aeroporto, a viatura em que seguia o presidente da União Democrática Timorense, João Carrascalão, acompanhado da mulher, disse à Lusa aquele dirigente partidário.

Contactado telefonicamente a partir de Lisboa, João Carrascalão precisou que a sua mulher, Rosa Ramos Horta Carrascalão, teve de receber tratamento no Hospital Nacional Guido Valadares a um ferimento provocado por uma lasca de vidro num olho.

"Eu estava a regressar a casa, depois de ter jantado em casa da minha irmã, Maria Ângela, e ao passar na rotunda de Comoro, deparei com um grupo de jovens que tinha erguido barreiras na estrada", disse João Carrascalão à Lusa.

Os jovens, presumivelmente pertencentes ao campo de refugiados de Comoro, junto à principal entrada do aeroporto Internacional de Díli, ergueram as barreiras na estrada com pneus e a carcaça de um carro a arder.

Após os incidentes, efectivos da polícia da ONU acorreram ao local, tendo disparado vários foguetes luminosos para afastar os jovens do local. Não foram efectuadas detenções.

O incidente com João Carrascalão ocorreu cinco dias depois de várias viaturas terem igualmente sido apedrejadas no mesmo local, incluindo o carro em que seguia Mário Viegas Carrascalão, irmão do presidente da UDT.

Mário Viegas Carrascalão preside ao Partido Social Democrata, formação partidária que integra a Aliança para a Maioria Parlamentar (AMP), coligação pós-eleitoral de que fazem parte o CNRT, de Xanana Gusmão, o Partido Democrático, de Fernando Lasama e a Associação Social Democrata Timorense, de Xavier do Amaral.

A capital timorense tem sido palco nos últimos dias de incidentes opondo partidários da Fretilin, o partido que venceu as legislativas de 30 de Junho mas sem obter maioria absoluta, a simpatizantes dos partidos da AMP, mantendo elevado o nível de tensão que rodeia o anúncio por parte do Presidente José Ramos-Horta sobre quem vai incumbir de formar o IV Governo Constitucional.

A designação do futuro primeiro-ministro tem sido sistematicamente adiada, devendo Ramos-Horta fazer o anúncio na próxima terça-feira, noticiou na quinta-feira a televisão estatal.

EL.

Lusa/Fim

7 comments:

Anonymous said...

Calma que em Timor neste momento e tempo de reflexao, nada de tiros, nem granadas, so pedradas, sao silenciosas e fazem parte da Democracia da Fretilin.

...olo vivo

Anonymous said...

Nao ha maneira de se acabar com a violencia? O que fazem os lideres politicos,a Igreja e a ONU?!...

Mano Fuick said...

Ja e altura de impor lei e ordem em Timor. Sequisermos ser nacao isto tera que ser feito comecando por fazer os lideres partidarios cujos militantes andam a causar disturbios de ordem publica. Se sao lideres terao que responder por nao imporem a disciplina aos seus membros. Sera que nao aprendereram? Em 1975 era a mesma coisa. Quando as coisas nao nao corriam a seu favor eram ameacas veladas, espancamentos, barreiras de fiscalizacao por ordem Maubere e nada era feito. Ja basta. O comite central dos camaradas deveriam ser ja trazidos ao tribunal. As estradas de Timor precisam de ser aranjadas e e uma boa ocasiao para recrutarem trabalhadores para a brigada de estradas. Assim seriam os verdadeiros proletarios.

Anonymous said...

As eleições legislativas servem para o povo escolher os 65 deputados do Parlamento Nacional e simultaneamente para revelar o peso proporcional dos vários partidos e para escolher o primeiro-ministro.

Se Ramos-Horta insistir em escolher para primeiro-ministro o líder do CNRT que foi derrotado pela Fretilin e ficou em segundo lugar, então Ramos-Horta agirá contra a democracia, porque a democracia elegeu a Fretilin para governar.

Anonymous said...

Esperemos que o novo governo que espero n˜åo seja da FRETILIN meta tudo na ordem.

Anonymous said...

Caramba! Não compreendo tanto ódio á essa família? PORQUÊ?

Por serem Malay Oans? Se é devo dizer que isso é uma grande vergonha para todos nós.

Um bocado mais de respeito or favor!

Kuda Reino

Anonymous said...

Os ataques a esta familia e porque eles sempre defenderam a verdade e os mais fracos como tal incomodam a alguns que cobardemente se escondem atras da ignorancia dos mais novos que nao conhecema historia do principio e manobram esses desgracados para cometerema actos de terrorismo. So para falar num dos muitos episodios quando as milicias em 1999 comecaram com a violencia em Alas os refugiados vieram na maioria acampar em casa dessa familia e quando atacaram a casa quem os defendeu foi um jovem dessa mesma familia que acabou pagando com a vida. As memorias sao curtas e quando toldadas pelo alcool ainda mais. E por isso continuo a dizer quem deve responder por isso sao os dirigentes que tacticamente os incitam. sempre foi assim nao e de agora. Bareiras nas estradas com o distico de fiscalizacao por ordem Maubere e coisa que vem do periodo 75. A mentalidade de partido unico
continua a prevalecer embora a palavra democracia e pendurada na ponta dos labios. Para quem sonhava em governar por mais 50 anos esta decisao do ramos Horta em convidar a coaligacao para formar governo e um prato muito dificil de digerir. Quem sonha muito alto a queda para a realidade e muito rapida e dolorida.

Malequias