Friday, 20 June 2008

Os professores portugueses colocados em Timor-Leste, no âmbito do projecto de reintrodução da língua portuguesa, prescindirão este ano das férias de V

Os professores portugueses colocados em Timor-Leste, no âmbito do projecto de reintrodução da língua portuguesa, prescindirão este ano das férias de Verão para participarem numa acção formativa de docentes timorenses, anunciou hoje a ministra da Educação.


Maria de Lurdes Rodrigues acrescentou que "acção intensiva de formação" envolverá 100 dos 120 professores portugueses colocados em Timor-Leste, e que serão três mil os docentes timorenses a beneficiar da iniciativa, alargada aos 13 distritos timorenses.

O anúncio foi feito no decorrer da conferência de imprensa realizada hoje em Lisboa pelos ministros da Educação de Portugal e Timor-Leste, na sequência da visita oficial que o governante timorense, João Câncio, está a efectuar a Portugal a convite da sua homóloga portuguesa.

Maria de Lurdes Rodrigues e João Câncio destacaram a "enorme adesão e disponibilidade" dos professores portugueses.

A ministra portuguesa anunciou ainda que Portugal vai reforçar o apoio ao ensino técnico-profissional em Timor-Leste, com o Ministério da Educação a atribuir em breve mais bolsas de estudo, embora não se tenha comprometido com números.

Maria de Lurdes Rodrigues salientou, por outro lado, que "muito em breve haverá um anúncio de novidades por parte do Governo para o reforço da promoção e difusão da língua e cultura portuguesas".

"Neste sentido, é intenção do Ministério da Educação aumentar o número de professores, não só de português mas também de outras áreas", referiu Maria de Lurdes Rodrigues, sem dar outros detalhes das medidas que estão a ser preparadas a nível do Conselho de Ministros.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, disse no princípio de Maio que o Governo anunciaria até ao final desse mês uma nova estratégia para a promoção da língua e cultura portuguesas, antecipando a cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a realizar em Julho próximo em Lisboa.

Entretanto, o ministro de Timor-Leste reafirmou que as autoridades timorenses "não vão alterar a actual classificação de línguas oficiais e de trabalho", previstas na Constituição.

"Timor-Leste tem como línguas oficiais o tétum e o português, e não há nenhuma razão para alterar", disse.

"Portugal é parte da nossa identidade", vincou.

João Câncio adiantou que durante a estada em Portugal manteve reuniões de trabalho com os ministros da Cultura, Ciência e Tecnologia e dos Assuntos Parlamentares, José António Pinto Ribeiro, Mariano Gago e Augusto Santos Silva, respectivamente.

3 comments:

Inês said...

Sou Professora
Gostaria de saber informações acerca da situação que encontramos em Timor, quanto à segurança, à qualidade de vida tipo de escolas e ambiente e interajuda entre colegas. Agradeço alguns esclarecimentos porque há uma grande possibilidade de ir para Timor dar aulas e gostaria de saber mais ou menos, com o que posso contar.

Obrigada,

Inês Pereira

Salgueiro said...

Sou licenciada em Historia e estou interessada em leccionar num dos países de língua portuguesa. Gostaria de saber como entrar em contacto com as entidades competentes e quais os contactos para conseguir um contrato num destes países.
Obrigado
Elsa Salgueiro

Salgueiro said...

Sou licenciada em Historia e estou interessada em leccionar num dos países de língua portuguesa. Gostaria de saber como entrar em contacto com as entidades competentes e quais os contactos para conseguir um contrato num destes países.
Obrigado
Elsa Salgueiro